Castelo Rá Tim Bum

♫ Bum bum bum, Castelo Rá Tim Bum ♫

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como uma criança dos anos 90, emissoras como a Manchete! que entrega muito a idade, SBT e TV Cultura marcaram a minha infância. Não tinha computador e nem TV a cabo naquela época, então além de brincar de Barbie, minha diversão era assistir a desenhos, novelas infantis e mexicanas, além dos fabulosos programas infantis da Cultura. Sim, fabulosos!

Ficava vidrada vendo Cocoricó, os peixes com rostos humanos do Glub Glub, Rá Tim Bum e claro, o inesquecível Castelo Rá Tim Bum. Que criança não sonhava em entrar naquele castelo com passagens secretas, criaturas extraordinárias e moradores tão peculiares?

Por isso, mal pude acreditar quando o CCBB anunciou a exposição do Castelo Rá Tim Bum no Rio de Janeiro. Ver cada cenário, cada objeto, cada peça de roupa e cada personagem é de deixar qualquer um nostálgico, e comigo não foi diferente.

Já no hall do CCBB é possível ver a icônica árvore com a Celeste, a cobra rosa mais falsiane do Brasil que sempre sibilava um nooooosssssssssa.

Já no primeiro andar, onde está a exposição, somos recepcionados pelo porteiro do  “clift cloft still, a porta se abriu!” e somos direcionados à biblioteca do tio Victor com o gato pintado em sua poltrona. Percorremos então todos os aposentos do castelo e a cada sala, personagens como Godofredo e Mau (que viviam nas tubulações), Tap e Flap (o par de botas mais estiloso da TV), fura-bolos (os dedinhos), ratinho, Adelaide (a gralha de Morgana), as roupas usadas por Caipora, Etevaldo (o garoto alienígena), Penélope (a repórter que só se vestia de Rosa), Lana e Lara dos lustres do castelo, João de Barro e as Patativas (passarinhos que moravam num ninho de joão-de-barro na árvore da Celeste), Telekid (personagem de Marcelo Tas que respondeu a muitos de nossos porquês”), os cientistas Tíbio e Perônio e, claro, os principais personagens: Nino, Zeca, Biba, Pedro, Victor e Morgana.

Pode até ser que não tenhamos nos dado conta na época, mas além de nos divertir e nos encantar, o Castelo Rá Tim Bum nos ensinou muitas coisas. Os Fura-bolos não nos deixaram esquecer a importância de lavar as mãos antes das refeições com a musiquinha “Lava uma mão, lava a outra, lava uma mão…”. Já a importância de escovar os dentes, reciclar o lixo e tomar banho era sempre lembrada pelo rato mais maneiro de todos Chupa, Mickey!  com o famoso ♫ CABEEEEEEEÇA TÁ NA HORA DE LAVAR TUM TUM TUM TUM TUTU GOSTOSO♫ ressaltando a importância de lavar bem o couro cabeludo, os pés, o bumbum e o fazedor de xixi melhor expressão de todas.

O João de Barro e as Patativas ao cantarem o “Quem som é esse? Quem sabe o nome dele?” nos apresentou ao som de cada instrumento musical; a Caipora nos ensinou um pouco do folclore brasileiro, Tíbio e Perônio nos introduziram ao básico da química, os protagonistas nos ensinaram a importância da família e da amizade, e sutilmente, Castelo Rá Tim Bum formou nosso caráter.

A exposição fica no CCBB até o dia 11 de janeiro, então não perca! Vale muuuuito a pena 🙂

Top 10: Brinquedos dos anos 90

Hellooooooo ooooou,

esse é o cumprimento mais irritante de todos, né? Quem assiste a “Mulheres Ricas” que o diga… Mas esse post não é sobre esse reality show, como vocês podem ler no título, trata-se apenas de mais uns brinquedos que eu adorava quando era pequena e que acabei lembrando hoje e gostaria de compartilhar com vocês, porque acredito que vocês se divertiram com eles também. If you remember them, than you had a great childhood ;D

Já fiz um post com outros brinquedos, que o pessoal gostou bastante, que você pode conferir clicando aqui.

Esse brinquedo mostra perfeitamente que criança não precisa de muito para ser feliz. Molas coloridas nos distraíam durante horas e mais ainda quando davam nós, era um verdadeiro desafio desatá-los.

Pula-pirata era clássico p/ brincar com os amigos.. Era um Jenga mais fácil da época.

Eu tinha uma máquina registradora idêntica a essa e eu a adorava. Lembro que brincava de restaurante com meu primo, pegava as almofadas e as usava como mesas e os meus bichinhos de pelúcia eram os consumidores das minhas comidinhas de plástico. Good times!

Pega-vareta me deixava apreensiva. Era difícil e eu semprre queria a preta primeiro, que era a que valia mais pontos.. Emocionante!

Aquaplay deixavam meus polegares doendo, era minha distração no carro, num tempo onde os smartphones nem sonhavama em existir…

Eu tinha esses skates e não, não sabia fazer as manobras legais e tal, eles serviam p/ meu Ken parecer mais cool hahahahahaha

Pode-se dizer que é o pai/avô sei lá do game boy? A febre foi mais ou menos a mesma..

Um dos meus preferidos! Era tão baratinho e era só dar corda e se distrair pescando.. Muito bom!

Quando esse tapete dançante saiu, eu lembro que eu pedi de Natal e rodei quase todas as lojas com meu pai até achá-lo.. Posso dizer que me diverti bastante dançando nele xD

Vai-vem você encontrava em qualquer loja de R$ 1,99 e era diversão garantida na hora do recreio! Só tinha que tomar cuidado na hora do “vem” p/ não machucar os dedos..

E vocês? Lembram de mais alguns?
Bjins

Dia das crianças

Para muitos o dia 12 de outubro é só mais um entre os vários feriados que temos, que serve para fazer aquele churrasquinho com os amigos, beber a tarde inteira e dormir no que sobrar do tempo. Pode ser que sim, mas para mim é mais um dia onde eu fico nostálgica.

Começo a recordar da minha infância. As mesinhas coloridas do jardim I, o gosto das guloseimas que já não vendem mais, o cheiro de terra misturado com a ferrugem dos brinquedos de parquinhos, os roxos no joelho, a merendeira vermelha, as professoras que eu chamava de tia, a hora do recreio, as brincadeiras, os amigos que tomaram seus rumos e hoje só são imagens na fotografia e outros que permaneceram e continuam fazendo parte da minha história.

Lembro dos cantinhos onde eu colocava minha toalha da Mônica para merendar com as minhas amigas, comer “Ana Maria” e beber água em alguma garrafinha térmica bonitinha. Depois gastar algum dinheiro comprando bala ou um boneco de farinha e achar que fiz um grande negócio.

Minha maior preocupação era entender fração com denominadores diferentes e manter meu tamagoshi vivo. Minha mesada, eu gastava com figurinhas para algum álbum que eu estava colecionando ou chaveiros ou qualquer acessório de papelaria. Fazíamos coleção de canetas de cheiro. Cheiro de chocolate, de pipoca, de fruta.. Papéis de cartas decorados. Como mandei e enviei cartinhas que tenho guardadas até hoje. Devem ser os dizeres mais sinceros que já recebi.
Jogar bola pelo simples prazer de jogar. Participar de olímpiadas e ganhar medalha ganhando ou perdendo. Apresentações de colégio. Ahh essas eram as melhores. Já dancei Chiquititas (lembram delas?), Britney Spears, Xibom bombom e outros que é melhor deixar p/ lá…

A infância passou e eu nem me dei conta. De repente eu estou na faculdade, lidando com adultos e outras preocupações. As derrotas e as decepções, agora, deixam um gostinho amargo, marcas mais profundas e não passam ao ganhar um chocolate. Mas as lembranças dos bons momentos, ajudam manter a criança que ainda mora dentro de mim. Afinal, como dizia Simone de Beauvoir – “O que é um adulto ? Uma criança de idade”.

;*

Como se sentir velho (a) num click

Olá,

bom, como eu tô muito sem tempo (fianl de período, sabe como é) para preparar um post p/ vocês, recorri aos meus e-mails p/ não deixar de postar ;D

O nome do post é auto-explicativo e todo o conteúdo foi retirado do Não Salvo.com.br

Obs: se não der p/ ler, é só clicar na imagem ;D

Parece que foi ontem que me amarraram uma fitinha preta no colégio como sinal de luto pelos Mamonas e que eu chorei p/ caramba ao saber que os meus ídolos estavam mortos.

Quando eu assistia ao Castelo ele já estava morto e eu nem sabia..

Só love, só love, só love.. Quero de novo com você me atracar com gosto, corpo, alma e coração ôÔô venero demais o meu prazer, controlo um calendáio sem utilizar as mãos..

Meu Deus, “Quero te encontrar” é mais velha ainda então Oo

Inshalá!

Eu via essa mulecada toda semana na Eliana Oo”

Eu cheguei a ter o bichinho de pelúcia do Melocoton que ria e tremia.. Adorava ele! Aquele Nhoque sei lá, era sem graça…

E tá ficando a cara do Fofão de tanto botox!

Primórdios do funk…

Pai do MSN

E eu que demorei p/ perceber que o mais novo era homem.. Eu jurava que ele era menina por casa daquele cabelo comprido e bem.. a cara de menina, né? hahaha

Nessa época era Gera samba ainda, eu acho…

O riquinho já foi até preso…

Eu lembro que já tava grandinha p/ ver isso…

Era lá que eu via Sailor Moon e CDZ xD

Caramba, na época que estreou eu nem tinha idade suficiente p/ assistí-lo ainda…

E também já foi preso por causa de drogas…

Feijoada ou dobradinha, o que foi que ela comeu? Foi repolho ou foi coxinha, buchada de bode…

E você que canta Cigana, Deus me livre, Sem você aqui comigo, Jeito Felino até hoje…

bom gente, é isso… Sugiram o que vocês querem ler aqui no próximo post ;D

Bjins

Só no sapatinho ôô

Olá,

quem lê esse blog sabe que eu tenho um gosto musical razoável: AMO rock e um bom pop, mas nem sempre foi assim. As crianças assimilam rapidamente qualquer coisa (ou qualquer grupo) que esteja na mídia. Os pimpolhos de hoje cantam “Meteoro” do Luan Santana porque escutam isso o tempo todo, já eu cantava “Pimpolho” do Art Popular simplesmente porque eu sabia a letra e achava divertido ver uns cinco, seis ou mais caras dançando enquanto um só cantava, essa (acredito eu) é a característica mais marcante dos grupos de pagode que (surpreendam-se) é o tema do post de hoje.

Não sei se vocês se lembram do programa “Som Brasil” que dava na Globo (eu não lembro), mas estou tendo a oportunidade de ver pelo canal Viva da tv a cabo e acabei recordando de tantos grupos que fizeram sucesso e que sumiram. “Demorou para abalar, demorou para abalar (repete mais umas quatro vezes), demorou mas abalou meu coração…”, alguém lembra disso? Aliás, alguém lembra quem cantava isso? Não? Dou-lhe uma, dou-lhe duas… Grupo Pirraça! Eu nem lembrava que isso existia (até rever no Som Brasil e reconhecer a música)!

Daquele famoso “UH! TERERÊ! UH! TERERÊ!” vocês lembram, né? Essa frase, bordão (?) é da música “Ela sambou, eu dancei” do Grupo Raça que coincidentemente (ou não, acredito que seja falta de criatividade mesmo) também tinha um trecho que dizia “Ela me disse demorou para abalar, mas abalou…”, só quero saber o porquê da fixação em abalar, e abalou o quê no fim das contas?

Acho que o que mais me chamava atenção nesses grupos eram as roupas deles (vide exemplo abaixo). Porque não era só o mocassim branco que os caracterizava, e sim aquelas roupas feitas especialmente para eles. Eram “ternos” uns dois números acima de cores berrantes em tecidos (tipo cetim) brilhosos, todos iguais, mas o de cada integrante era de uma cor. Um grupo que se destacava nesse quesito era o Molejo. Fala sério, quem não lembra daquele macacão do Pica-pau e/ou piu-piu que o vocalista usava? O grupo também inovava porque é o único que ousou o suficiente para fazer uma música chamada “Samba rock do molejão”, um grande paradoxo da música brasileira.

Exemplo:

Os vocalistas desses grupos também eram únicos, quem não lembra do Netinho de Paula que cantava como se estivesse chorando, da língua presa ssssssssexy do Luiz Carlos (vocalista do Raça Negra), da mega animação (ironia detected) do Chrigor (que p*** de nome é esse?) do Exaltasamba, do Vava do Karametade que nada mais era que um mini galã que arrancava suspiros das meninas, da voz anasalada do Anderson Leonardo (do Molejo) e tantos outros pagodeiros que se postos uns ao lado dos outros fica difícil identificar quem é quem?

Esse lado dos anos 90 marcou muita gente, não que tenhamos nos tornado fãs do pagode, mas convenhamos que nos divertimos muito ao som desse gênero quando éramos crianças, pois afinal “Brincadeira de criança, como é bom, como é bom…”.

Ps: esqueci de citar grupos como “Pixote”, “Bala, bombom e chocolate”, “Gang do samba”, “Patrulha do samba”, “Terrasamba”, “É o Tchan” e…? Ajudem-me a lembrar de outros ;D

Bjs

Gosto da infância

Olá,

pelo nome do post já deu p/ sacar que lá vem mais uma sessão nostálgica e é isso mesmo, mas antes eu gostaria de pedir para que vocês acessem o Acontece em Petrópolis porque vale a pena saber o que está acontecendo na nossa pacata cidade ;D

By the way, a estreia de Harry Potter e as Relíquias da Morte (parte I) já é semana que vem e meu ingresso já tá garantido, e o de vcs? Por falar em HP… Vocês viram o novo corte de cabelo deles? O que é a Emma com aquele cabelo de Carey Mulligan? Ainda bem que cabelo cresce e o rosto dela é bonito, pq não ficou bem p/ ela. Ela ficou cabeçuda e com cara de velha. E o Daniel e aquele cabelo de Leonard (The big Bang Theory)? Sem comentários…

Não podia deixar de comentar haha, agora vamos ao tema do post ;D

Como toda criança normal, sempre gostei de comer guloseimas e há muitas coisas que me empaturravam na hora da merenda que não são mais fabricadas. Biscoito Fofy! Gente, aquele pacotinho vermelho matava a minha fome e não fabrica mais! Era o único biscoito sem recheio que eu gostava de comer, mas agora eu tenho que me contentar com o Trakinas mesmo, que por sinal, está ficando uma bosta. Que p*** é essa de farinha integral e 0% de gordura Trans em tudo? Se eu quero comer algo saudável, vou comer uma salada, se eu como biscoito de chocolate, eu quero sentir o gosto do chocolate! Essa farinha integral acaba com o biscoito e está cada vez mais difícil de achar sem isso! (Fica aí meu protesto! hahaha).

Bom, eu também adorava o Mirabel, o Negresco com chocolate por fora (esse eu acho que ainda tem) e sou da época que Calipso era só um biscoito (o da Joelma é com y, né?), mas era MUITO bom, melhor que o de hoje em dia. Ioiô mix também era uma boa pedida de merenda, pois eram aqueles biscoitos canudos recheados de chocolate que você passava no chocolate branco e preto que vinha na tampa. Embora fosse bem enjoativo, eu adorava. Mas eu não posso falar na hora do lanche, sem falar de Ana Maria. Aquele bolinho já esteve presente nas lancheiras Sadia (lembra daquela bolsa térmica que TODO mundo tinha? Tinha 2 cores, a vermelha e a azul) de todo mundo.

Pirulitos… Eu comprava sempre o das Spice na minha fase “wannabe”, por causa das figurinhas delas e tbm pq eu achava que um pirulito no qual tinha um chiclete dentro era coisa de gênio, e olha que eu nem curtia mt chiclete, só Babballoo mesmo (o básico). Vocês lembram do Push Pop ? Só hoje eu percebo o quão fálico era aquele jingle ainda mais p/ esse pirulito. “Push, push pop, puxa é gostoso”… Esse tipo de coisa e o verdadeiro significado das músicas do É o Tchan acabam com a minha infância xD Mas de todos, os que eu mais sinto falta é do Chupa chups (pirulito com cholate e baunilha! Tinha outros sabores) e CARAMELO NESTLÉ! Aquela embalagem dourada animava o meu dia, aquele caramelo era simplesmente bom demais! (também me amarrava naquelas balas gelatinas de vários formatos e jujuba)

Como boa chocólatra, como me esquecer da barrinha da turma da Mônica onde os personagens eram de chocolate branco e o contorno, de chocolate preto? Eu comia aquilo igual comia tortuguita (primeiro a cabeça, depois as patinhas, depois o corpo), pelas bordas hahaha xD Já o Kinder Ovo só tinha graça quando eu era pequena, por causa dos brinquedinhos que eu fazia coleção. Pq o chocolate em si era caro e fino, embora fosse delicioso… mas nada comparado aquela caixinha de bombom azul dos personagens do Looney Tunes, era chocolate preto com branco por dentro, todo preto e todo branco. E o papel dos bombons eram os personagens.. Bão dimais! Do Toddynho eu nem preciso falar, o companheiro de aventuras de muitos até hoje xD

P/ finalizar, não posso esquecer daqueles biscoitos salgados que eu só comia por causa dos tazos, ou adesivos que brilhavam no escuro, ou tatuagem, ou seja lá o que viesse junto.. eu só gostava do Fandangos (de presunto!), sempre abominei Cheetos e aquele cheiro de chulé característico.. Baconzitos era bom, mas me enjoava e Doritos era mt ruim..

Agora uma curiosidade: eu era a única que fazia meu pai comprar guaraná p/ ganhar pokemon? Pq eu nunca gostei de guaraná.. xD

Bom é isso, vou comer algum biscoito atual e sem graça pq esse post me deu fome!

Bjs

Velha infância

Olá,

vocês já devem estar pensando “Cara, ela viu que o post sobre coisas da nossa infância e deu certo e agora só vai falar nisso”, mas não. A irmã da Natanna, a Nathália (que tbm lê o blog e eu não sabia =]) sugeriu que fosse feito um post sobre os desenhos então, vamos lá!

Não sei porque não posso ser sincera, se nos meus sonhos eu te confesso, os pensamentos que tenho longe e que conflitos me causarão… Poético, né? Eu que sou talentosa? Nããããããão! Sailor Moon que era foda (com o perdão da palavra xD)!

Eu via esse desenho na época da Rede Manchete (pqp to ficando velha), até que a Eliana (na Record) voltou a passar e fez até musiquinha, digna de programa infantil… “Sailor moon, sailor moon, vencemos o o inimigo um a um, união, sem igual, o bem sempre vence o maaaaaaaaaaal”. Não sei o que é pior: a musiquinha ou o fato d’eu lembrar e “cantar” aqui. Mas o desenho era legal, afinal, elas eram as guerreiras do Sistema Solar! Elas eram tão legais p/s meninas, quanto os Cavaleiros do Zodíaco eram p/s garotos.

“Pelo poder do prisma lunar”,“Borbulhas de Mercúrio, explodam”, “Fogo de Marte, ascenda-se”, “Trovão de Júpiter, ressoe”, “Raio de Vênus, fulmine”.. Eu achava isso tudo um máximo, e ainda tinha o Tuxedo Mask que era o mocinho do desenho e as gatas Lua e Ártemis. Eu assistia ao “CDZ” (abreviação que só nerd conhece hahaha) também, mas depois eu parei pq minha mãe achava que era muito sangrento p/ eu ver, mas eu desconfio que ela queria ver a novela que era na mesma hora… O que eu posso dizer é que a única coisa que eu lembro é que o principal era o Cavaleiro de Sagitário (pq será, né?) e que a Atena tinha o cabelo comprido e roxo e usava um vestido longo e branco. Eu ganhei do meu tio o boneco do Cavaleiro de Libra, que se eu ñ me engano, era prata e tinha o cabelo loiro e comprido. Enfim, o CDZ era bem interessante pq envolvia mitologia e eu particularmente, AMO mitologia (principalmente a grega).

O fantástico mundo de Bobby era sensacional. Eu adorava aquele tampinha cabeçudo e seu triciclo. “É o amor ou é o gás, você pode adivinhar…”, eu devo ser a única retardada que lembra dessa musiquinha que o Bobby cantou sobre o amor (eu lembro de todas as musiquinhas dos desenhos que eu via xD), ele tinha um bichinho roxo que ele sempre carregava também, alguém lembra o que era aquilo?

Senhor Wilsooooooooooooooooooooooooooooooooooooooon e Denis, o Pimentinha era algo como Chaves e Sr Barriga, mesmo sem intenção, o vizinho sempre acabava sendo o alvo do pestinha. O desenho é baseado nas tirinhas de Hank Ketcham e com o sucesso acabou virando filme também. Eu sei que eu viajo mt, mas acho que o Denis seria o par perfeito p/ Eloise (lembra aquela loirinha que morava num hotel? São livros da Kay Thompson que viraram filmes também…)

Doug Funnie foi O desenho. Todo mundo via. Todo mundo gostava. Fala sério, a irmã toda poética dele, a Judy; o cachorro, Costelinha; o amor dele, a Patti Maionese; o melhor amigo, Skeeter (que era verde); a riquinha, Beeb Bluff (a roxa que tinha a casa com o formato da cara dela); e todos os personagens eram muito divertidos. Lembram do Doug como “Homem
Codorna”? Ele colocava um cinto na cabeça, uma capa, uma cueca por cima da bermuda e um Q na camisa de “Quailman” (homem codorna em inglês) e o Costelinha também colocava uma capa, o cinto e o “Q” no peito. Já o Skeeter era o “Mosquito Prateado” (paródia do Surfista Prateado da Marvel) e sua banda preferida eram os “Beets”, que era uma outra paródia que misturava Beatles com Ramones. O desenho era um dos muitos que tinha suas dublagens feitas pelo estúdio Álamo (Estúdio Álamo me marcou tanto quanto o “Versão Brasileira Herbert Richers xD).

Era no Disney Cruj que passavam os melhores desenhos (Doug passava lá). Eu adorava “A hora do Recreio”, eu via aquele desenho e pensava “Cara, queria que meu recreio fosse assim”. TJ (o líder), Vince (o atleta talentoso), Ashley Spinelli (a geniosa que se vestia como um menino), Gretchen (a cdf), Mikey (o gordo talentoso que escrevia poesia, dançava música clássica e cantava) e Gus (o caçula ingênuo) representavam de certa forma perfis que há em toda sala de aula, mas que ao invés de terem suas panelinhas com seus semelhantes, formaram uma bem heterogênea.

“Pimentinha é demais ela só faz o que quer, só há uma Pimentinha e um Milo, Pimentinha é demais toda sétima confia, não dá p/ enfrentar a Pimentinha, ninguém pode com a Pimentinha…”, Ana Pimentinha é a típica pré-adolescente: está naquela fase que todo mundo fica feio, sempre chega atrasada na primeira aula, é cheia de problemas… Seu melhor amigo Milo era afim dela (e ela não percebia) e sua amiga Nicky é popular e namoradeira.

Os Anjinhos era sensacional. Tommy, Chuckie (o ruivo que falava como se estive sempre com o nariz entupido), os gêmeos Phil e Lil e a minha preferida, a Angelica que era uma verdadeira peste. Depois teve a Kimi (irmã do Chuckie de cabelo roxo), o Dill (irmão do Tommy) e a Susie (a “rival” da Angelica). O desenho era interessante pq mostrava como os bebês se comunicavam sem os adultos saberem. Depois que eles cresceram, não ficou tão legal como era antes. (ps: personagens infantis não deveriam crescer nunca! Pior coisa foi a Turma da Mônica adolescente, Luluzinha.. perderam a graça!)

Turma do Pateta era tão legal quanto todos os desenhos da “Turma do Mickey”. Confesso que nunca fui fã das princesas da Disney, mas eu era apaixonada pela Minnie, inclusive eu tenho uma de pelúcia que eu ganhei aos 3 anos até hoje (recordação da infância é difícil de se desfazer hahaha). Não posso esquecer do Pica-pau (que eu tbm assistia todo dia), Tom & Jerry e tantos outros desenhos que marcaram a infância de todo mundo.

Com certeza eu esqueci de algum desenho que vcs viam e amavam, e por isso, me desculpem, mas é que esses foram os que me vieram na cabeça na hora, por favor acrescentem outros que esqueci nos comentários ;D

Bom resto de semana ;D

Bjss

Músicas da minha infância

Oláááá,

Depois de ter relembrado alguns programas que eu assistia quando pequena, nesse post e alguns brinquedos, hoje eu vou relembrar o que eu ouvia nessa época também, então preparem-se pq eu tenho certeza q vcs ouviam tbm hahaha

Eu não me orgulho disso, mas eu já fui fã de Xuxa! Que baixinho nunca foi? Não é como se a gente tivesse muita opção também, afinal criança acaba engolindo o que os pais empurram p/ gnt supondo que a gnt vai gostar já que o trabalho delas é p/ público infantil, e eu gostava!

Quem nunca cantou “Hoje vai ter uma festa, bolo e guaraná muito doce p/ vc…” nas festinhas? Quem não achava um máximo quando tocava “Lua de Cristal” (no filme homônimo), no momento em que o Sérgio Malandro(noooossa)resgatava a Xuxa num cavalo na praia? Ilariê, Tindolelê, Abecedário da Xuxa, Brincar de Índio e muitas outras músicas da rainha (cheia de botox) dos baixinhos marcaram uma época, e não tem como negar.

Das apresentadoras, eu gostava mais da Angélica. Angel Mix e Caça Talentos eu achava um máximo xD A Angélica como cantora, era tão ruim como todas as outras, mas eu também tinha o cd dos maiores sucessos (acreditem, era mais de um!) e ADORAVA “Vou de táxi”, que só recentemente descobri ser versão de Joe le taxi da Vanessa Paradis (a sortuda que é casada com o Johnny Depp). O programa que tinha os melhores desenhos era o dela, por isso eu assistia. Por isso, pelo Melocoton, que na record virou Nhoc e pelo Chiquinho (Ed Banana, lembra?) também. Na época de “Xô preguiça” eu comprei essa fita da foto p/ walkman e tbm adorava a música que ela tinha cantado com o cara do Molejão.. “Hoje, é dia de alegria, tá na hora de cantar, pular, soltar de vez a sua energia…” (ou algo do tipo).

Eu escutava essas loiras que gemiam achando que tavam cantando, até conhecer uma banda da qual sou fã até hoje: Mamonas Assassinas! Eu já falei deles aqui no blog várias vezes, mas acho que nenhum grupo me marcou tanto como eles. Brasília Amarela, Vira-vira, Robocop Gay, Lá vem o alemão, Uma Arlinda Mulher… Eu tenho certeza que vou ter 100 anos (ok, não há como eu ter certeza disso) e ainda vou estar escutando no último volume (mas aí será pq provavelmente estarei surda). Mamonas forévis (salve Mussum!).

Mexe, mexe, mexe, com as mãos, pequeninas, mexe, mexe, mexe com os pés… Aquela abertura da novela era tão legal e colorida que eu dançava em casa hahahaha xD Eu cheguei a ter 4 cds, tudo que era revista, o uniforme da 2ª temporada (aquele xadrez), mandei cartinha (mas nunca me responderam T_T).. enfim, era fanática! E as músicas? Uma “desgraceira” só, mas eu cantava que me acabava. Lembra da Tati e Vivi (minha preferida xD) que eram irmãs? No clipe de “Mentirinhas”, mostravam as duas pequenas sendo abandonadas pelos pais (o trem passava/ mostrava os pais/ trem de novo/ tati chorando) e a tati cantando “Não me diga mentirinhas dói demais, eu já sei que estou sozinha sem meus pais (rima incrível). Eles foram p/ bem longe, esqueceram que eu nasci, me deixaram sem carinho por aqui…”, bem digna de novela mexicana…

Mais tarde o SBT começou a exibir “Popstar” e o grupo vencedor foi o Rouge (pq a capa do cd era rosa, é um mistério p/ mim). Depois de “Não dá p/ resistir”, veio a “Macarena” da nova geração, a “Ragatanga” e depois o ostracismo. Br’oz foi o grupo vencedor da segunda edição e tiveram 2 sucessos também, “Prometida” (sim, sim, sim…) e “Vem p/ minha vida” (que eu nem lembro pq ñ era fã deles). Só de curiosidade, a Patrícia do Rouge, casou com o Matheus do Br’oz hiauahiauhauih É sério!

Wannabe, Say you’ll be there, 2 become 1. Everybody, As long as you love me, Shape of my heart. É.. quem não foi atingido pela febre pop não viveu os anos 90 como deveria. As britânicas ousadas e os americanos bonitinhos que dançavam decoraram os quartos de várias meninas que queriam ser como uma das Spice Girls e que sonhavam em casar com um dos Backstreet Boys (ou do N’sync, Five, Westlife..).

E por último, mas não menos importante, a dupla mais amada do Brasil! Você pode não assumir, mas vc já ouviu muito “Não Ter”, “Inesquecível”, “Em cada sonho” (versão do Titanic), “Dig dig joy”, “Vamo pulá”, “A Lenda” e tantos outros sucessos da dupla. Eu confesso que ouço os cds (tenho todos, menos o 2º xD) até hoje, pq eu gosto e não acho S&J brega, só é infantil, mas as músicas (90% versões de grandes sucessos internacionais) são bonitinhas. Eu também adorava a série “Sandy e Jr” que passava na Globo (e tá reprisando no canal Viva), além disso tudo, o show da turnê “Eu acho que pirei” foi o primeiro show que eu fui na vida, e foi incrível, lembro até hoje hahahaha

Bom gente, é isso..

Termino o post com um vídeo tosco que recebi por e-mail hahahaha xD

Cirurgia p/ aumento de prazer

//www.youtube.com/get_player

Boa semana!

Bjss

Brinquedos da Infância

Olá,

primeiramente, vou anunciar minhas outras matérias em sites sérios =)

Lembram da polêmica que o Danilo Gentili arrumou quando disse a seguinte frase no twitter: “King Kong, um macaco que, depois que vai para a cidade e fica famoso, pega uma loira. Quem ele acha que é? Jogador de futebol?”? Então, a resposta dele às duras críticas que ele recebeu, você confere aqui

E p/s fãs de MPB que querem saber onde podem curtir o gênero em Petrópolis, além de conhecer 2 talentos locais, você confere aqui

Não é pq eu participo de ambos os sites não, mas ambos tem matérias muito legais, sério! Até pq se eu não acreditasse em seus respectivos potenciais, eu não participaria…

Enfim, vamos ao tema do post que é como vcs já leram ali em cima: Brinquedos da Infância.

Eu sou MUITO saudosista, e olha que só tenho 19 anos (em breve 20!), mas é incrível como as coisas mudaram desde a minha infância até hoje. Acredito que a nossa geração (anos 90)foi a que mais sentiu essas diferenças, pq as tecnologias hj se desenvolvem mt mais rapidamente do que na época dos nossos pais. Conheço pessoas nascidas em 60/70 e ambos brincaram com as mesmas coisas praticamente, mas já os brinquedos que eu tinha, eu nem vejo mais a venda…

Lembra do Bat-beg? 2 bolinhas que batiam uma na outra e deixavam nossas mãos roxas eram febre na hora do recreio, cada um tentava mostrar que sabia fazer a bolinha bater em cima e em baixo (360 graus) e distraía a gente… E o pirocóptero? Vc comprava um pirulito de 20 centavos (+/-, ñ lembro o preço exato) e ganhava uma “hélice” p/ colocar no cabo do pirulito, dps era só girar com as mãos e voilá, voava altão! O barato dessas coisas é que eram super baratas e divertiam muito as crianças, não tinha aquela de se divertir com “wii” ou “guitar hero” (que são mt maneiros tbm), era uma coisinha a toa que qualquer um tinha, assim como so bonecos de farinha. Eu não sei vocês, mas eu gastava 1 real (ou 2 reais?) sempre que um boneco estourava. Uma bexiga com farinha dentro me fascinava, adorava ficar apertando aquilo compulsivamente, e era bonitinho… Todas as minhas amigas tinham também hahahaha

Pokemón foi uma febre mundial. Isso é fato e o que saiu de produtos do desenho foi absurdo, tinha absolutamente TUDO do pokemón a venda e uma febre foi os bonequinhos que vinham no guaraná. Era uma pokebola na tampa, com o bichinho dentro. Eu que nunca gostei de guaraná (fala sério, refri sem graça. É o refri “step”, qnd ñ tem coca, sprite.. vai guaraná!) comprei vários só p/ ter o mini pokemón. Tinha umas maquinhas de 25 centavos, q tinham pokemons falsificados, mas que nas brincadeiras valiam tbm…

Tazos também foram uma outra febre, principalmente entre os meninos que “batiam tazos” e os ganhavam ou os perdiam… Embora eu não suporte o refrigerante, eu fiz meus pais comprarem muita Coca-Cola por causa dos “brinquedinhos” que vinham, e principalmente quando eram os geloucos. Cara, aquilo era mt legal. Uns brilhavam no escuro, e todos pulavam qnd vc “apertava” atras… As garrafinhas da coca que eram chaveiros, foram outra febre que eu acompanhei xD

Eu que nunca tive um bichinho de estimação pq smp morei em apê, encontrei um consolo no tamagoshi que tinha todo meu cuidado e dedicação. Hoje em dia, as aulas são interrompidas pelos celulares, antigamente eram pelos bips dos nossos filhotinhos virtuais… e era legal que todo mundo checava em suas mochilas p/ saber qual que tava apitando, foi uma fase mt boa!

Toda criança quer ter acessórios de adultos como celulares, lap top.. pq é legal falar que tem, mas na minha época não tinha mp3, então eu ganhei um walkman vermelho (que eu tenho até hoje) onde eu ouvia minhas fitas de sandy & júnior, e era legal que quando a pilha tava acabando, a voz da sandy ia ficando grossa, beirando o gutural.. dava medo! Mais tarde teve o diskman (que eu tbm tenho até hj), mas p/ mim essas foram grandes invenções pq eu sou da época da vitrola (tinha disco de vinil da Xuxa xD)…

A agenda eletrônica era uma outra coisa inútil que agnt queria ter de qlqr maneira! Eu juntei vários selos da revista Explora (lembra da Recreio tbm?) e ganhei um estojo azul cuja tampa era uma agenda eletrônica, bem legal!

Não sei vocês, mas eu jogava mt super-trunfo com meu primo. Era um joguinho tão legal, a gente passava uma tarde inteira jogando o de carros, ônibus, avião, até do pokemón a gente tinha! Assim como os cards (+ tarde). Quem nunca teve um “deck” de pokemón e foi na “progames” (é esse o nome da loja que ficava no 2º andar do marquese?) trocar card? Eu acho que tenho meus decks até hoje, do pokemón e do Harry Potter… ACHO!

Por último, mas não menos significativo (p/ mim), os bonecos do power rangers! Eu tinha TODOS! Era fissurada pelo seriado, e o boneco era 2 em 1, ou seja, você apertava o cinto dele e a cabeça mudava. Ou ele ficava com o capacete, ou sem! Era sensacional!!!! Eu tbm tinha um bonequinho do Cavaleiros do Zodíaco que montava a armadura…

Só p/ esclarecer, eu tbm tinha mt Barbie, panelinhas e brinquedos de meninas, mas esses que eu falei são unisex… hahahaha

É isso, espero que todos possam ter tido bons momentos relembrando a infância…

Bom fds!

Bjsss

Mamonas Assassinas

Olá,

ontem (dia 2/3) fez 14 anos que os membros dos Mamonas Assassinas morreram, portanto meu post é dedicado a eles.

Eu era uma menininha de cinco anos de idade, quando fui contagiada pela energia e alegria de Dinho, Bento, Sérgio, Júlio e Samuel. Numa tarde de domingo, ao ligar a tv estava dando no Domingo Legal, uns cinco malucos vestidos com roupas de presidiários (as famosas roupas com listras pretas e brancas) pulando iguais uns loucos, falando abobrinha e cantando a tão infame “Pelados em Santos”.

Eu morria de rir com eles. Todo domingo eu ligava a tv p/ vê-los ou no Faustão ou no Gugu. Aqueles caras foram me cativando de uma tal forma, que eu me pegava cantando “Mina, teus cabelo é da hora, teu corpão violão, meu docinho de coco, tá me deixando louco..”. E além de tudo, eles falavam BUNDA nas letras [e até coisas piores, que na época eu não entendia] sem o menor pudor, e eu achava aquilo o máximo. Cantava vira-vira na maior inocência e ria sempre na parte de “já me passaram a mão na bunda e ainda não comi ninguém” (nunca que ia passar pela minha cabecinha inocente, que eles falavam de suruba). Júlio com sua peruca, imitando a Maria, e Dinho com seu bigode, fingindo ser o marido de Maria; quem não ria com aquilo?

Ao cantar “Robocop Gay”, Dinho sempre estava com uma roupa diferente. Já se vestiu de Robin, de pernalonga, já usou vestido e peruca de carnaval só p/ fazer a performance dessa música. E que performance! Quem não lembra da música da Gretchen no meio de Robocop Gay, com Dinho rebolando e falando “oh mon amour AU”? Quem não lembra de Dinho fazendo sotaque nordestino em “Jumento Celestino”? Quem não lembra do Dinho imitando o Netinho (do domingo da geeeeeente, o da coabe lá que gosta de bater nos outros) em “Lá vem o alemão”? Quem não lembra da famosa fala do Dinho antes de cantar “Uma Arlinda Mulher” (segue a fala abaixo)? Quem não lembra do Dinho?

“Muito bem meus amigos, vamos agora unir nossas forças, e no momento de união, que faz açúcar, vamos lembrar da mulher amada. Aquela mulher que quer que você corte o cabelo, aquela mulher que mudou a sua vida, que fez você tomar banho e escovar os dentes, aquela mulher que briga com você quando você põe o dedo no nariz e cola debaixo do sofá, essa desgraçada que com certeza é palmeirense uqe briga com você quando você quer assistir ao jogo de futebol, ela quer assistir novela reprisada. Olhe para os olhos dessa mocreia e diga essas palavras de amor (começa a música)”.

E do Bento? O japa com cabelo rastafári que tocava guitarra como ninguém?
E dos irmãos Reoli? O Samuel e o Sérgio?
E do Júlio? O gordinho simpático com cabelo laranja? (Curiosidade: na noite anterior ao acidente, Júlio tinha sonhado com a queda do avião e estava com um mau pressentimento)

Quem diria que a banda Utopia que antes fazia letras sérias e sombrias, se tornaria a maior banda cômica que esse país teve o prazer de conhecer, mesmo que por tão pouco tempo?

No dia 2/3/1996, ao ligar a TV e ver a fatídica notícia de que eles tinham morrido, eu chorei. Chorei muito. E choro até hoje ao ver documentários e tudo que seja relacionado a eles. Como que aqueles caras novos e tão cheios de vida estavam mortos? Confesso que não me conformo com isso até hoje. Não é justo!

Mesmo que tenha sido por tão pouco, ainda bem que eu sou da geração Mamonas Assassinas. Eu vivi essa fase e vou me lembrar dela sempre. Quando a saudade bater, é só eu ouvir a paródia de “Twist and Shout”: “Não peide aqui, baby”, ou qualquer outra música que eu vou ficar alegre, afinal esse era o objetivo deles: levar alegrias p/s pessoas, e isso nem a morte tirou deles, porque até hoje, eles são lembrados e celebrados sempre como a banda mais irreverente e engraçada que esse país já teve.

Aos Mamonas, minha singela homenagem…

e por hj é só..

bjs