Votação do impeachment

Se tem uma coisa que 2016 não está é tranquilo nem favorável! É o Estado Islâmico ameaçando o Brasil, planos de franquia para Internet banda larga, aquela votação do Impeachment que eu nem sei por onde começar a comentar..

Mas como o melhor do Brasil é o brasileiro, mesmo no fundo do poço e ainda cavando mais um pouco, a gente perde tudo MENOS a piada.

Primeiro, a ameaça feita pelo Estado Islâmico em NOVEMBRO DE 2015, logo após os ataques em Paris, mas que só agora virou notícia. Pohã, demoraram cinco meses para traduzir o tweet em francês?

Se a Agência Brasileira de Inteligência precisa de todo esse tempo só p/ confirmar que a conta do cara que postou a ameaça é verdadeira, imagina uma resposta a um ataque…

E… Por que a gente? Só porque colocamos a bandeirinha da França na foto do perfil?

Nossa única defesa vai ser essa…

ou essa…

E longe de mim dar sugestão de um possível alvo também, porque com essas coisas não dá p/ fazer piada…

Mas em se falando de Brasília, também não dava p/ deixar de comentar a votação do impeachment neste último domingo (17). Se você não teve paciência para acompanhar o circo a votação que durou apenas metade da minha vida umas 6 horas, vamos a alguns momentos marcantes de quando eu ainda estava prestando atenção:

Teve tanto “Pela minha família, meu filho, minha neta…” que fiquei confusa se era programa da Xuxa ou votação do impeachment.

Teve Namariabraga Cristiane Brasil, filha de Robert Jeff, com a camisa da CBF, votando a favor do impeachment HAHAHAHAHA

Teve Glauber Braga chamando o Cunha de gângster e ainda dizendo que que o “que dá sustentação” a cadeira de presidente da Câmara dos Deputados cheira a “enxofre” HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA Melhor fala da noite!

Teve poeta Pedro Cunha confundindo o voto com ciranda: “Na exigência do respeito que carrego por efeito da confiança em mim, voto pela mudança, no compasso da esperança, vamos em frente com a força, voto sim”.

Teve Wladimir Costa que confundiu a votação com micareta e pediu que levantasse a mão quem queria ver a Dilma fora. “Nós votamos sim, e quem vota sim coloca a mão pra cima!”

Teve Bolsomerda que já começou parabenizando Eduardo Cunha e ainda exaltou o Coronel Ustra, comandante do DOI-Codi, primeiro oficial condenado em ação declaratória por sequestro e tortura durante a Ditadura.

“Perderam em 1964, perderam agora em 2016. Pela família e pela inocência das crianças em salas de aula que o PT nunca teve. Contra o comunismo, pela nossa liberdade. Pela memória do Col. Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias do Sul, pelas Forças Armadas, por um Brasil acima de tudo, por Deus acima de tudo, meu voto é sim!”

Teve Jean Wyllys representando cada brasileiro e cuspindo na cara desse bostalhudo;

Não teve  nas palavras no plural;

E também teve muita, mas muita vergonha de acompanhar todo aquele circo, sendo armado por um bandido que ria da cara dos brasileiros a cada voto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s